De onde viemos, para onde vamos: O que separa Warlock, de Jim Starlin, dos filmes da Marvel

A Marvel atual começou uma empresa pequena e recém-falida, e que tinha por objetivo apenas arrancar alguns centavos de crianças e adultos envergonhados. Stan Lee era um editor desesperado que, de uma salinha que dividia apenas com uma secretaria, reuniu mais algumas pessoas desesperadas para trabalhar naquilo que ocupava na escala de moralidade das pessoas comuns uma posição intermediária entre esquemas piramidais e pornografia. O seu conselho para os seus funcionários era “peguem o dinheiro e corram”.

Action Comics v. 2, de Grant Morrison e Rags Morales: Super-Homem vs. Mundo das Ideias

Sim, é verdade: o Super-Homem da Action Comics de Grant Morrison é um “vingador social” e isso é uma espécie de homenagem ao personagem nos anos 30, quando era escrito e desenhado por Jerry Siegel e Joe Shuster. Ele soluciona problemas “reais” na base da porrada. Não é, no entanto, a única referência que Morrison faz. Na verdade, a fase toca em diversas versões do personagem e do seu mito, em diferentes níveis e propósitos, de forma mais ou menos direta.

As Tartarugas Ninja de Kevin Eastman e Peter Laird: “Nós tartarugas não somos cães sem honra”

Outubro de 2009. O Nickelodeon compra os direitos das Tartarugas Ninja do estúdio Mirage, [formado pelos criadores dos personagens, Peter Laird e Kevin Eastman. Fevereiro de 2012. Michael Bay, o cara que é odiado por nove de cada 10 pessoas que se levam a sério demais, é anunciado como produtor do filme. Março de 2012. Bay anuncia que as tartarugas do filme não serão mutantes [como em teenage mutant ninja turtles], mas alienígenas e que o filme será chamado de Ninja Turtles [o que dá a entender que elas também não serão teenage]. A Internerd explode.

Demolidor: Amor e Guerra, de Frank Miller e Bill Sienkiewicz: Ofuscando cavaleiros heróicos

A melhor forma de começar essa resenha de Demolidor: Amor e Guerra, de Frank Miller e Bill Sienkiewicz, é te pedindo um SALTO DE FÉ. É que a primeira página do gibi retrata as suas principais características. Mas só posso colar ela depois da quebra de página para não ferrar com a formatação da postagem.Então, você aí que acessou o site pela página inicial: clica ali no “Continua na pg. 2 »”. Te garanto que o texto tá massa.

Demolidor #2, de Mark Waid, Paolo Rivera, Emma Rios, Kano e Koi Pham: Bonito, colorido, afirmativo

Daredevil #7, a história que abre Demolidor #2, da Panini, é uma conseqüência direta do PARADOXO das histórias que lhe antecederam. Conforme você, NEO-NERDISTA, leu aqui, a premiada série de Mark Waid começou como uma mistura de NOSTALGIA MARVELITA e APPROACH POLITICAMENTE CORRETO: sustentado em aventuras que seguem o esquema herói x vilão colorido, confrontos com outros mocinhos da editora e cenas de ação periódicas, Waid transformou o Demolidor em um defensor dos MINORITÁRIOS e OPRIMIDOS – tudo muito bem desenhado por Marcos Martín e Paolo Rivera.

Arma X, de Barry Windsor-Smith: O pesadelo de Logan

Não deixa de ser surpreendente que tão pouco de Arma X, a história do Wolverine escrita, desenhada, colorida e letrerizada por Barry Windsor-Smith, tenha sido tão pouco usada na versão do personagem para o cinema — e, em grande parte, desconsiderada em sua cronologia dos gibis. Pra você aí que só assistiu Wolverine: Imortal e tá perdido, não tenho como colocar isso em meias-palavras: essa é a melhor história do personagem de todos os tempos.

Demolidor #1, de Mark Waid, Paolo Rivera e Marcos Martín: Bonito, colorido, oprimido

A Panini andou tomando uma série de iniciativas pelas quais um NERDISTA CRITERIOSO como eu [EHEM] só pode ficar FELIZ. Caso específico: começar a publicar uma série de BIRIRI CRÍTICO e ACÚMULO PREMIATIVO, o Demolidor de Mark Waid, Paolo Rivera e Marcos Martín em uma edição própria, como se um encadernado americano fosse, sem a presença de CORPOS ESTRANHOS ENGORDATIVOS.