JEFF LEMIRE: “QUANTO MAIS TRISTE, MELHOR”

* * * *
Jeff Lemire foi chamado de “the next big thing” e “Stephen King dos gibis” por Scott Reid. A empolgação só se justifica apenas porque é em um perfil publicado na revista canadense Maclean's [eles tem até uma folha de bordo no logo]. 

E o próprio Reid diz que é “difícil encaixar esses superlativos nesse quadrinista de 39 anos, casado e pai. De óculos e sem pretensões, Lemire parece totalmente normal. Na verdade, é um mutante. Mas não do tipo que tem garras de adamantium. O seu superpoder é a habilidade de combinar um amplo espectro criativo, uma base de fãs do tamanho do Galactus e um enorme apelo crítico”.


Do perfil, você tira que Lemire é um solitário sentimental: “'Se eu não posso trabalhar todos os dias, não sou uma pessoa agradável', confessa. 'Preciso fazer isso pela minha saúde mental'. É uma compulsão que, aos 19 anos, levou ele para longe dos espaços abertos da fazenda familiar. Eventualmente, ele aterrissou em Toronto, onde, como um de seus personagens diria, você pode estar 'completamente sozinho... perdido na multidão'”. [QUADRINHOS]

Nenhum comentário: