CORTO MALTESE: SOB O SOL DA MEIA-NOITE, DE JUAN DÍAZ CANALES E RUBÉN PELLEJERO: “FIDELIDADE DESMEDIDA”

* * * *
Segue o resenhismo sobre o novo álbum de Corto Maltese, Sob o sol da meia-noite [de Rubén Pellejero e Juan Díaz Canales]. Essa resenha é do historiador Óscar Gual Óscar Gual, e foi publicada no Entrecómics. Ela tranquiliza os incautos: “a legião de fãs e os guardiões da ordem podem ficar satisfeitos e dormir tranquilos, já que a nova aventura é uma mais dentro da coleção”.

Funciona, no entanto, mais para Pellejero do que para Canales. Ele consegue “não renunciar à sua individualidade [é menos caniffiano, para dizer de alguma forma] ao mesmo tempo que usa a herança gráfica de Pratt, principalmente nos gestos, nos esboços dos cenários e no uso da cor, na versão que corresponde, claro”.



Já Canales “se diluiu na tentativa de fidelidade desmedida, o que é decepcionante. Recriou de forma tão escrupulosa o modelo original que o resultado peca por ser canônico, não deixa espaço para o improviso, a surpresa, o encontro fortuito”. [QUADRINHOS]

Nenhum comentário: