PRESAS FÁCILES, DE MIGUELANXO PRADO: “UM TRABALHO SOLITÁRIO QUE PODE SER ASFIXIANTE”

* * * *
Miguelanxo Prado, o quadrinista gallego, tá com gibi novo na iminência de ser lançado -- Presas fáciles, 80 páginas em preto e branco de “carga social” sobre “as vítimas do sistema bancário”, previsto para maio do ano que vem. Tereixa Constenla, que pelo “x” no nome também é galega, escreveu um El País um texto que é meio perfil, meio resenha, totalmente BEM ILUSTRADO.

Presas fáciles nasceu de um ímpeto inovador. Depois das aquáticas Ardalén e De Profundis [o primeiro desenho animado dirigido por Prado], que ocuparam os últimos dez anos do quadrinista, o homem estava cansado: “esse é um trabalho solitário, no qual você está enfiado dia depois de dia, e no qual você precisa de concentração. Pode ser asfixiante. Depois de 10 anos entre peixes e baleias, em obras muito intimistas e pouco divertidas desde o ponto de vista do processo criativo, me propus fazer duas coisas que não tinha feito nunca: uma série policial, do gênero negro, e outra de aventura pura e dura”.

Presas fáciles é a primeira. “O álbum é carne de jornal, pesadelo hiper-realista, um thriller que rema contra a maré da crise: ‘está na linha das novelas de [Petros] Márkaris dos últimos anos. Não pretende ser uma obra de tese, mas propõe uma contínua reflexão sobre a responsabilidade social”. Te deixo com uma página aí em baixo.


 [QUADRINHOS]

Nenhum comentário: