MATT WAGNER: DE GRENDEL A ZORRO

* * * *
Matt Wagner foi bibliografado por Enrique Ríos, do Zona Negativa. A lógica é a seguinte: Rios dividiu a carreira do cara em três fases [anos iniciais, segunda fase e “fase da mudança”, mais por automatismo trilogístico do que qualquer outra coisa, conforme o próprio reconhece], listou a produção de Wagner no período e fez breves comentários. Deu para duas postagens: uma que vai de 1982 a 1990 e outra que vai de 1990 a 2014.

Na primeira, você lê sobre as origens de Grendel e Mage, as suas duas criações próprias mais conhecidas, ainda pela editora Comico, The Demon e a minissérie publicada pela DC em 1987 e protagonizada por Etrigan, o demônio criado por Jack Kirby. Rios também transcreve trechos de uma entrevista de Wagner na qual esse explica o seu processo criativo.


Entre 1992 e 2008 [“A Era da Grandeza”], Wagner se tornou um grande no me dos quadrinhos americanos: foram sete indicações aos Eisner. No período, trabalhou com o Batman [na baita história Faces, que saiu Legends of the Dark Knight #28 a #30, em 1992; e em Batman: The Monster Men e Batman: The Mad Monk, publicadas entre 2006 e 2007], fez 60 edições de Sandman Mystery Theatre, publicou Mage na Image e retomou Grendel em diversas minisséries, algumas vezes escritas e desenhadas por outros quadrinistas, a começar por Grendel: War Child [desenhos de Patrick McEown e Ken Henderson]. Dessas minisséries, te digo que tem duas excelentes: Grendel Tales: Devils and Deaths [de 1994, publicada pela Dark Horse] e Grendel Tales: Devil’s Choices [1995], as duas de Darko Macan e Edvin Biuković.

A etapa mais recente do trabalho de Wagner é caracterizada pela mudança: não temos mais histórias de Grendel, a maior constante na sua carreira, nem do Batman, o seu personagem mainstream fetiche. Principais trabalhos saíram pela Dynamite Entertainment, onde Wagner se tornou capista, roteirista e editor do Zorro [20 edições entre 2008 e 2010, 15 das quais desenhadas por Francesco Francavilla, outras 12 entre 2011 e 2012], e na Vertigo, onde lançou uma série da Madame Xanadu [30 edições entre 2008 e 2011]. [QUADRINHOS]

Nenhum comentário: