GRAVIDADE, DE ALFONSO CUARÓN: "E SE O FANTASMA FOSSE O NADA?"

* * * *
Amanhã estreia no Brasil Gravidade, novo filme de Alfonso Cuarón. Esse é o trailer, que justifica, por si só, uma COLETÂNEA DE RESENHISMO sobre o filme:





Na história [escrita por Jonás Cuarón, filho do diretor], Sandra Bullock interpreta uma astronauta perdida no espaço [com George Clooney de auxílio] depois que a sua estação espacial foi atingida por destroços de um satélite russo.

O CHARME disso, mais do que na trama, está na NARRATIVA: primeiro, você deve ter tirado do trailer a impressão que Cuarón é um mestre na transição do RELAX para o DESESPERO –- impressão essa que você pode confirmar assistindo seu filme anterior, Filhos da Esperança, o melhor filme de ficção-científica dos últimos, sei lá, VINTE ANOS. E segundo, Cuarón é uma espécie de versão SUTIL James Cameron.

O PONTO UM também foi visto por Richard Roeper, do Chicago Sun-Times: Gravidade, ele diz, “fornece uma atmosfera que vai de uma calma onírica para ação chocante uma e outra vez. Você não pode evitar se lembrar de clássicos como Alien e 2001: Uma Odisseia no Espaço [com a vantagem dos efeitos especiais de ponta]”.

Roeper tratou o filme como uma história de terror. David Denby, da The New Yorker, também -- uma espécie de SEINFELD DO TERROR: “filmes de terror quase sempre são conduzidos pelo medo de uma coisa desconhecida lá fora, no meio da floresta, ou do outro lado da porta. O fantasma, mais cedo ou mais tarde, se materializa. Mas e se ele fosse o nada?”.

Na mesma The New Yorker, Richard Brody não viu nem uma coisa, nem outra: na única resenha negativa sobre o filme que eu li, tratou Gravidade como um “conto de sobrevivência” desprovido de ideias: “é difícil lembrar de um filme tão visceralmente emocionante e mortalmente chato como Gravidade, um colossal e impressionante exercício de poder cerebral que tem por objetivo substituir – e eliminar – o uso do poder cerebral”.

O outra [ou O PONTO DOIS], no caso, foi extensamente defendido por Joe Morgenstern, do Wall Street Journal, na melhor resenha que você vai encontrar sobre o filme. Morgenstern destacou que Gravidade é a culminação de uma parceria de quatro anos de Cuarón com “uma equipe técnica que inventou e elaborou novas ferramentas a serviço de sua visão”: Emmanuel Lubezki [“que planejou um sistema de iluminação por LED radicalmente novo, chamado de The Sarcophagus”], Andy Nicholson, Tim Webber e Mark Sanger.

É uma conjunção “entre o sistema de estúdios, a visão singular de um artista do cinema e um amplo leque das ferramentas cinematográficas mais avançadas de Hollywood” capaz de mostrar “as coisas maravilhosas que um grande filme de estúdio pode ser”. [NFN 100MG]


Nenhum comentário: