TAIYO MATSUMOTO: "NÃO PODIA EVITAR QUE TODOS FOSSEM EU"

* * * *
Anne Ishii foi ao Toronto Comics Arts Festival [TCAF, "capaz de se distanciar da típica convenção blockbuster-TV-RPG-brinquedos sem se vender explicitamente para 'os indies'"] e voltou com uma entrevista com Taiyo Matsumoto, o mangaká underground de Black & White, para o Japan Times.

Foi a primeira participação de Matsumoto em uma convenção de quadrinhos na América do Norte: "não sou nem mangá nem bande desinée, então é um pouco difícil me colocar nos eventos japoneses de shonen, onde eu não encaixo com os cosplayers, ou nos europeus, onde se supõe que eu sou o cara do mangá".

O principal tema da conversa foi Sunny, seu novo mangá, terceiro na lista de mangás mais vendidos do The New York Times. Faz o gênero biografia-só-que-não: "cada personagem foi inspirado em alguém, mas não podia atribuir a ninguém específico determinado comportamento" e "não podia evitar que todos fossem eu". [NFN DIÁRIO]

                  

Nenhum comentário: