THOR: GOD OF THUNDER, DE JASON AARON E ESAD RIBIC: “É UM PERSONAGEM QUE SEMPRE VAI SOLUCIONAR OS SEUS PROBLEMAS ESPANCANDO-OS COM UM MARTELO”; MARK MILLAR: “MAIS DO QUE QUALQUER UM, CONSEQUE MACAQUEAR O SOM E O RITMO DA CULTURA POP CONTEMPORÂNEA”

[NFN DIÁRIO #215]                                        * * *                                                [19/4/2013]

Tucker Stone, do Comics Journal, andou assistindo novelas mexicanas na TV e voltou com TESES sobre ENTRETENIMENTO BARATO. Nos interessa porque passa por Thor: God of Thunder [+], a série de Jason Aaron [+] e Esad Ribic [+] e Mark Millar:

Se houvesse alguém na disputa para os programas de televisão que nos são bombeados de forma tosca, seria Mark Millar e seu trabalho em quadrinhos, um homem que desenvolveu o refinamento do entretenimento barato ao ponto de que ele não precisa mais se esconder por trás dos personagens de uma corporação. Em vez disso, ele pode contar com um público que sempre vai saber de quem ele está debochando, ou fazendo referências ou provocando, construindo franquias endinheiradas inteiras a partir de personagens dos quais ele não precisa mais nem os direitos de uso (o Nemesis de Millar, um personagem que quase acabou nas mãos do agora falecido diretor Tony Scott, foi uma vez descrito pelo personagem com a frase "O que aconteceria ser Batman fosse um filho da puta total?"). Secret Service, o híbrido de histórias de espião e obsessão pornográfica às referências à cultura nerd no estilo de Joss Whedon, chegou mancando à sua conclusão na semana passada, com a sua última página vangloriando-se de sua adaptação para o cinema, "já a caminho".


                  

Nenhum comentário: