GREG SADOWSKI, SOBRE BERNARD KRIGSTEIN: "SÓ O JEITO QUE ELE DESENHAVA MÃOS JÁ ERA UMA AULA DE ANATOMIA E EXPRESSIVIDADE"

[NFN DIÁRIO #204]                                        * * *                                                [4/4/2013]

No CBR, Alex Dueben entrevistou Greg Sadowski [+], o cara que organizou essa pá de coletâneas de gibis dos anos 40/50 que a Fantagraphics lançou nos últimos tempos -- como Four Color Fear [+], com histórias de terror publicadas no período em editoras que não são a EC, e Messages in a Bottle [+], com as histórias de Bernard Krigstein. 

Sobre essa última, e a recolorização das histórias de Krigstein por Marie Severin, Sadowski comentou:

Foi o trabalho de Krigstein para a EC que eu vi primeiro. Fui atraído pelo alto nível do seu traço, e, é claro, pela sua abordagem inovadora à divisão de quadrinhos. Era um artista sério e bem sucedido trabalhando em um campo formado em grande parte por fraudes. Só o jeito que ele desenhava mãos já era uma aula de anatomia e expressividade. Até mesmo entre os grandes artistas da EC ele se destacava, na forma em que evitava clichês e de como adaptava o seu estilo para cada história específica.

A principal razão pela qual eu fiz que as histórias fossem novamente colorizadas é para fazer justiça aos desenhos de Krigstein. A maioria das editoras de quadrinhos fazia a colorização de seus gibis na gráfica, e até mesmo aquelas que podiam pagar um colorista próprio não os estimulavam (ou pagavam o suficiente) para colocar suas idéias ou seu tempo nessa tarefa. A colorista da EC Marie Severin era uma exceção, ainda que até mesmo o trabalho dela pudesse parecer apressado às vezes. Krigstein tinha algumas fotostáticas em preto e branco e silverprints em seus arquivos, e eu apenas recolorizei esses histórias, e nas quais eu tinha uma linha original de trabalho. A sua esposa me contou que ele jogou fora a maior parte dos seu trabalho relacionado a quadrinhos, então o fato dele ter mantido essas histórias mostra que elas eram as que ele tinha em maior estima.

Sobre Basil Wolverton [+] [Sadowski também organizou Spacehawk [+]]:

Além de Spacehawk, que foi recentemente reunida em uma coletânea em um belo volume da Fantagraphics, Creeping Death from Neptune reúne toda a produção de quadrinhos não-de-humor de Wolverton, publicado e inédito. Wolverton entrou nos quadrinhos durante a infância do meio, no final dos anos 30, mas morou e trabalhou na região do Pacific Northwest, então ele pode aproveitar certa liberdade que não estava disponível para aqueles trabalhavam em Nova Iorque. Uma das coisas empolgantes é que ele manteve grande parte de suas correspondências, então nós podemos ter uma visão interna da forma que a indústria funcionava durante a sua Era Dourada.

Ele era um autêntico americano original, com uma imaginação selvagem e frequentemente violenta. Eventualmente, editores ficaram preocupados de que ele estivesse assustando demais as crianças, até mesmo durante o período dos quadrinhos de terror. Em um determinado momento, ele não conseguia vender o seu trabalho que não fosse de humor, e teve que se apoiar no seu lado engraçado. Hoje em dia, ele não teria nenhum problema em ser publicado, o seu trabalho era tão distorcido, detalhado e estranho. Caras como Wolverton e Krigstein teriam que trabalhar como independentes agora -- mais um motivo para dar a eles o que lhes é devido, preservando o que deixaram para nós.

                  

Nenhum comentário: