PHIL DYESS-NUGENT, SOBRE GARY GROTH: “COSTUMA CONFUNDIR FALTA DE EDUCAÇÃO COM PRINCÍPIO MORAL E A PRODUÇÃO DE GIBI DE SUPER-HERÓIS MEDÍOCRES, MAS DE SUCESSO COMERCIAL, COM CRIMES DE GUERRA”


[NFN DIÁRIO #196]                                        * * *                                                [22/3/2013]

Phil Dyess-Nugent, do AV Club, resenhou o livro The Grammar Of Rock: Art And Artlessness In 20th Century Pop Lyrics, de Alexander Theroux. 

Se você, leitor perspicaz, está se perguntando o que isso tem a ver com o NFN DIÁRIO, te digo: é o segundo parágrafo,  dedicado ao editor Gary Groth [e existe uma longa discussão nos comentários sobre a natureza desse parágrafo, se consiste em um ATAQUE GRATUITO OU NÃO, porque as caixas de comentário de artigos na Internet são como um episódio de Sala de Redação que saiu do controle]:

Gary Groth, co-fundador da Fantagraphics, é um middlebrow reclamão conhecido por usar a sua revista, The Comics Journal, como uma lixeira para os seus tijolos monótomos mas furiosos, nos quais ele costuma confundir falta de educação com princípio moral e a produção de gibis de super-heróis medíocres, mas de sucesso comercial, com um crime de guerra. O que quer que tenha sido que juntou Theroux e esse editor, deve ter sido um prazer para Groth fornecer uma casa para um escritor sério com uma queda por palavras de dez dólares, sem mencionar uma boca suja (um capítulo de Darconville's Cat consiste inteiramente em um personagem descrevendo coisas que devem ser feitas para uma mulher de partir o coração, em uma longa lista que não inclui "perdoar e esquecer"). E provavelmente agrada a Theroux, que tem bons motivos para se sentir desprezado pelo establishment literário, que o seu mamute de palavras-mosaicos chegue ao público graças à generossidade de uma editora mais conhecida como a casa do Buddy Bradly de Peter Bagge [+] e dos vários volumes de Complete Crumb Comics.

Nenhum comentário: