WEST COAST BLUES, DE JACQUES TARDI: "UMA PREMISSA TRADICIONAL E SIMPLES PARA RETRATAR UMA VERDADE SOBRE A CONDIÇÃO HUMANA"

[NFN DIÁRIO #170]                                        * * *                                                [5/2/2013]

Chad Nevett convidou Ales Kot para escrever um artigo curto sobre West Coast Blues [Le Petit bleu de la côte ouest, no original], de Jacques Tardi [+] [com base em um livro de Jean-Patrick Manchette], para o Graphicontent. O texto já está em duas mil palavras e continua crescendo. Antes de que se transforme em DOIS mamutes, Kot publicou essa versão provisória

A premissa de West Coast Blues é simples: George Gerfaut é um executivo cansado que vende componentes elétricos caros fabricados pela sua empresa, uma subsidiária do grupo I. T. T.; ele sabe como eles funcionam porque ele é um engenheiro. Uma noite, Gerfaut salva um homem que foi atacado por dois assassinos. Ele dá uma carona para ele, pensando que o homem só estava envolvido em um simples acidente de trânsito. A próxima coisa da qual Gerfaut se dá conta é que a sua cabeça é colocada a prêmio e os mesmos dois assassinos contratados vão atrás dele equipados com roupas, produtos de higiene pessoal, uma novela de ficção científica escrita em italiano, três facas de açougueiro extremamente pontudas e afiadas, um afiador de facas, um garrote com três cortas de piano e empunhadoras de alumínio, uma palmatória de couro cheia de chumbo, uma Smith & Wesson automática de 1950 e calibre .45 com o seu próprio silenciador, 5 metros de corda de nylon, uma pistola SIG P 250-5 automática com um cano de 9mm, binóculos, uma M6 e muita munição.


                  

Nenhum comentário: