UMA PÁ DE RESENHAS: AVENGERS #1


[NFN DIÁRIO #135]                                         * * *                                                  [12/12/2012]

Avengers #1 [+], série relançada no Marvel NOW! pelas mãos de Jonathan Hickman [+] e Jerome Opeña [+] ganhou um "chain reactions" de JK Parkin, no CBR -- é a seção dedicada a reunir resenhas que apareceram sobre determinada edição na INTERNERD. O ponto de partida da COLETÂNEA é um comentário do próprio Hickman em entrevista ao CBR:

"A ideia é que os Vingadores tem que ficar maiores", Hickman disse ao Comic Book Resources. "Isso significa maior em todos os sentidos. Isso significa que deve ter mais integrantes na equipe, as missões devem ser maiores, e os adversários e cenários contra os quais eles se enfrentam devem ser maiores. Joguei um pouco com essas coisas no Universo Ultimate. Evidentemente, estamos em uma outra categoria aqui, mas de muitas formas essa é a velocidade que a série deveria ter. Nós (Tom Brevoort e eu) também sentimos que se a série vai ser sobre o mundo dos Vingadores, deveria parecer mais como o mundo. Claro que existem algumas complicações quando os personagens do filme, de presença obrigatória, são cinco caras brancos e uma mulher branca, mas, você sabe, mais integrantes. Francamente, estou muito, muito empolgado sobre o como tratamos disso. A equipe inicial é ótima".

Além daquela resenha de David Uzumeri, já linkada aqui no outro dia, Parkin repercutiu a resenha de Martin Gray no Too Dangerous for a Girl, Brian Cronin e Kelly Thompson, em diferentes partes do próprio CBR, Russ Burlingame do ComicBook.com e Jesse Schedeen, do IGN. Desse último, Parkin destacou um comentário sobre os desenhos de Opeña:

"Vistualmente, Avengers já é uma das séries mais bonitas dos lançamentos de Marvel NOW!. O estilo intrincadamente detalhado de Jerome Opeña é perfeito para os conflitos épicos e os personagens de outro mundo de Hickman. A ação é grande e corajosa. Os design dos personagens são chamativos. As cores etéreas de Dean White completa o lápis tão bem quanto sempre".

De Burlingame, o PENÚLTIMO, sobre a trama:

"É uma ideia sensível o suficiente, mas também já feita. Feita, de fato, pelo único escritor que parece também aspirar a escrever uma óperas vastas e auto-indulgentes sobre quadrinhos de equipes de super-heróis arrasa-quarteirão que Hickman tem: a JLA de Grant Morrison fez tudo isso. Formar uma equipe secundária que possa aparecer e salvar o mundo quando o primeiro escalão foi derrotado foi a premissa de pelo menos um dos arcos principais da fase de Morrison na JLA -- uma história em que a equipe lutou contra conquistadores alienígenas inspirados em Kirby. Mas aquela série sempre foi um pouco divertida, um pouco leve. Não existe nada isso na primeira edição dos Vingadores de Hickman, apenas muitas falas te dizendo como a história é importante e te prometendo que logo você vai ver como ela é importante. Talvez seja melhor ler a história em um encadernado".

Nenhum comentário: