PROMETHEUS! [TENTE NÃO SER UM NERD TARJA PRETA POR UM SEGUNDO]

  
[NFN 100MG #31]                                          * * *                                                   [22/11/2012]

Jon Spaihts, que escreveu o roteiro original de Prometheus [+] [ao menos em relação ao final, que passou pelas patas de Damon Lindelof], deu essa entrevista para Nick de Semlyen, da revista Empire, no início do mês. A primeira coisa que você pode extrair dela é que Ridley Scott é maluco:

[...] Ridley é um ótimo e macabro colecionador de horríveis excentricidades naturais, parasitas reais e predadores do mundo natural. Ele tem um excelente arquivo de fotos de criaturas reais medonhas de todo o mundo -- algumas delas são assustadoras! Ele saboreava contar histórias de vespas que perfuravam a carapaça de besouros para plantar larvas, ou se tornavam criaturas controladoras de mentes. Coisas terríveis acontecem, especialmente em uma escala menor. Quando você entra no mundo dos insetos, as criaturas cometem atrocidades selvagens umas com as outras. E Ridley adorava cada uma delas. Elas inspiraram um monte dos projetos e muitas idéias que nós tentamos.


Como podemos fazer isso com MAIS BABA?
--Ridley Scott, 2012.
  
A segunda, é que Lindelof foi forte na reformulação do roteiro -- o que é especialmente interessante porque você deve se lembrar de Prometheus como aquele filme massa que sofre, precisamente, por um roteiro meio porco.

A distribuição das culpas pode tomar forma concreta dias depois da entrevista, quando, “coincidentemente", o roteiro original de Spaihts vazou na Internet [mais exatamente nesse link aqui], de forma a dar EMBASAMENTO FÁTICO às suas palavras.

Para ARRENDONDAMENTO GERAL DOS FATORES, tanto o Prometheus Movie [sites de fãs que tem exatamente o objetivo que você está pensando: ser sobre o filme], quanto J.F. Sargent, do Film School Rejects, escreveram artigos comparando o roteiro de Spaiths ao de Lindelof -- nos economizando um tempo preciso, que seria gasto lendo a primeira e rejeitada versão de um filme apenas para não ser desmascarados como FARSANTES ao apontar o nosso DEDO ACUSADOR a esse último.

Ambos foram além do óbvio [que o filme tem mais próximo dos outros da série Alien, o que você pode deduzir sozinho literalmente NA CAPA da versão de Spahits: o título original era Alien: Engineers]: o primeiro tem a vantagem de ser uma versão do roteiro em prosa e ilustrada...



...o segundo, de ser pontual e concentrado nas mudanças que Lindelof fez para pior, que é o que você deve estar querendo saber em primeiro lugar. O resultado final da avaliação é um FATALITY:

Isso significa que Lindelof não pensou bem as mudanças que fez? Sim. Sim, é exatamente o que isso significa.

Quanto mais você lê esse roteiro, mais claro isso fica.

Nenhum comentário: