[NFN#117]The Browser, recuperou uma entrevista que Alex Ash fez, em 2011, com o "tintintólogo" Michael Farr -- que é, para aqueles com pouca CAPACIDADE DEDUTIVA, um escritor inglês que escreveu diversos livros sobre o Tintin, personagem do Hergé.

Sobre o POR QUÊ:

Tintin é um espelho não apenas do século XX (as suas aventuras sempre refletem eventos contemporâneos), mas também da vida. Se você conhece e ama Tintin, você tem momentos tintinescos na sua vida diária. Ele também é uma figura moral, um exemplo de bom comportamento e uma boa abordagem para a vida, o que parece ter a sua origem no passado de Hergé como escoteiro. Por isso que Tintin é um brilhante exemplo para jovens leitores. Que você possa reler as aventuras de Tintin diversas vezes é uma prova de suas qualidades extraordinárias e um dos motivos chave pelo qual ele durou após a morte de Hergé em 1983.

Sobre o próprio Hergé:

Sem conhecer Hergé, você não se daria conta de como ele era engraçado -- ele enxergava o lado engraçado de quase tudo. Ele era visualmente muito atento, não perdia nada do que via. Ele tinha 70 anos, e eu estava pela metade dos 20, e acho que foi por isso que ele concordou em me ver. Mais jovem, um jornalista britânico que falava francês, isso era ligeiramente exótico e o deixou intrigado. Hergé era muito jovem para a sua idade. Para usar uma expressão que era mais usada antes do que agora, ele estava muito "ao par". Quando começamos a falar sobre música, ele me perguntou quais eram as minhas músicas do Pink Floyd favoritas.

MAS:

Hergé teve uma vida sofrida, sobre a qual ele nada falava. Tinha um grande senso de humor, mas como muitos humoristas ele também tinha um lado depressivo muito forte. Tintin era uma luta para ele, e Hergé foi uma vítima de seu sucesso. A partir do momento em que Tintin apareceu pela primeira vez, Hergé esteve sob pressão pelo resto de sua vida para repetir esse desempenho, o que era muito exigente. Isso e outras coisas empurraram ele para graves crises de depressão, o que prejudiciou o seu trabalho nos anos 50.

Nenhum comentário: